quinta-feira, 26 de junho de 2008

Silêncio revelador...

.... já escrevi aqui que considero o silêncio revelador. Hj, Contardo Calligaris escreve o mesmo em sua coluna na Folha, com muito mais propriedade, claro. Pois bem, ele fala de amores silenciosos. Tb acho que nada substitui alguns momentos, nem mesmo o já banal 'eu te amo'. Ficar abraçada ao ser amado, apenas ouvindo e sentindo sua respiração é impagável.

Eis um trecho de Calligaris hj: "Nunca sei se as declarações de amor são constatativas ("Digo que amo porque constato que amo") ou performativas ("Acabo amando à força de dizer que amo"). E isso se aplica à maioria dos sentimentos........ nossa verborragia amorosa atropela o outro. A complexidade de seus sentimentos se perde na simplificação dos nossos, e sua resposta ("Também te amo"), de repente, não vale mais nada ("Eu disse primeiro"). Por isso, no fundo, meu ideal de relação amorosa é silencioso, contido, pudico. "


A gente sabe que atingiu a total cumplicidade quando não precisa dizer nada, quando a presença silenciosa basta, se torna suficiente, alimenta a alma e nosso coração. Só quem já sentiu o que escrevo vai compreender de fato o significado da expressão sublime amor.

Algumas coisas não precisam ser ditas. Até porque, por força do hábito, se diz muita coisa da boca pra fora. Claro que ganhar flores no Dia dos Namorados é ótimo. Mas ganhar flores em outro dia qq é bem melhor, sem que tenha de haver um motivo no calendário, apenas pela vontade de expressar, mais do que verbalizar, o amor pelo ser amado.

Pra mim, os atos valem muito mais. Contam mais. Adoro ouvir palavras belas, mas, se quer me agradar, faça coisas bacanas. Me surpreenda.

PS: Dica gratuita hein, rs

Um comentário:

drika disse...

verdade.
prefiro o amor silencioso. tranquilo.
q lembra qdo ñ tem data marcada.
esse me empolga mais.