segunda-feira, 22 de setembro de 2008

Princesas, príncipes e sapos....



Ontem fui com minha sobrinha (e a família toda rs) assistir ao show Princesas On Ice. É bonito? Sim. É uma superprodução? Sim. Um belo show de figurino, som, luzes, fogos, dança, cenário... simplesmente perfeito. Gostou? Sim (quase chorei em alguns trechos), mas.... é pesado demais para nossas crianças. Explico: Todas as histórias. Isso mesmo. Todas as as histórias são iguais. Sempre uma moça com alguns problema que é salva, no fim, por um príncipe encantado.

Até mesmo a que é rica, a Jasmine, que não é sofredora por nascimento, que é princesa legítima, de berço, só se sente feliz e completa quando aparece um homem salvador, Aladdin, seu amor verdadeiro ... O que é isso minha gente??

E a Ariel, aquela linda sereia encantador? A mulher se mutila, isso mesmo, ela faz um pacto com o mal para se tornar uma mulher de verdade e poder casar com um homem. ALOWWWWWWW Ela deixa de ser quem é por causa de um homem. Quantas vezes vemos isso acontecer por aí? Inúmeras !!! Isso é o fim da picada. Um absurdo.
Estamos repetindo estes modelos toscos que a disney nos impõe. Quem disse que é preciso ter um homem, um príncipe para alcançar a felicidade? E os príncipes, já reparam, quase nunca têm uma história. Poucos, apenas o da Cinderela, a Fera e o Aladdin, têm seus passados revelados. Os outros, todos, são mera figuração. Entram, flertam e salvam as moças. Isso não choca vocês?
Fiquei impressionada ontem, ao ver todas as histórias, juntas, condensadas, seguidas. O show foi dividido em dois atos. No primeiro, contam as histórias de todas as outras e, no segundo, a da Cinderela, claro. O que me incomodou profundamente no primeiro ato é que as histórias ficavam sem final. Isso mesmo. Contavam tudo e o desfecho, a chegada do príncipe não aparecia. Pq? Ao fim do primeiro ato, o grande momento: todos os príncipes apareciam juntos para salvar suas princesas. Uma bela dança era coreografada. Fogos, luzes. E até a Minnie, isso mesmo, que nem princesa é, aparecia ao lado do Mickey. Vamos combinar né.
No segundo ato, outro incômodo. Em determinado momento, o príncipe percorre 'a cidade' em busca da dona do sapatinho de cristal. Os atores tentam experimentar o sapato nos pés das meninas, cujos pais pagaram os olhos da cara para sentar praticamente dentro do ringue de patinação. Até aí, tudo bem, bonitinho. Eis que ontem, no espetáculo das 11h, aconteceu algo que fez o Maracanazinho todo rir. Menos eu, claro. Três meninas, por volta dos 11, 12 anos, esticaram suas pernas para ver se o sapatinho cabia nelas. Isso mesmo !!! O sonho destas meninas já é ter um sapato de cristal que lhes agrege um príncipe. Chocante. Sei lá.
Isso pode parecer normal para todos, mas, vamos combinar, o que mais temos por aí são sapos. Muitos. Inúmeros. Alguns até se travestem de príncipes, mas é tudo farsa. Podemos contar nos dedos o que realmente prestam. E as meninas ficam lá, sonhando,d esde pequenas, com homens salvadores, enquanto seus pais pagar R$ 20 por um saco de pipoca. Sinal dos tempos...

Um comentário:

KK disse...

Sua doida, eu estava lá e te liguei para nos encontrarmos. Concordo com cada linha que vc escreveu, também amei o show mas pensei a mesma coisa. Ficou tão evidente vendo tudo junto e em especial o grand finale que vc citou.Ficou claro como nos massacram com essa idéia de que a mulher só vai ser feliz se encontrar um príncipe, e não é nem um homem é um PRÌNCIPE!!!Também fiquei pensando sobre esse ideal que se repete e faz com que no fundo todas nós, por mais esclarecida, queira também encontrar um príncipe.Mas tb pensei que de certa forma isso tb é imposto aos homens, mais suave mas tb é, pense na Fera e no Alladin que tb se transformam por causa de uma mulher e tb no príncipe da cinderela que tem que casar! Enfim é a idéia de que vc só vai ser verdadeiramente feliz se casar! O casamento como o caminho e existem tantos outros...
Mas enfim o amor continua lindo apesar disso só precismaos saber construir os nossos caminhso para isso, né? beijão